Visitas

sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Vivo num vale

Vivo num vale sem monte onde todos os dias empanco com ovelhas sem pastor. O meu pai sempre me disse que elas são telecomandadas e a verdade é que começo a acreditar nisso. É que as bichas andam para ali sozinhas, em busca do tal monte que não existe, e quando chega determinada hora arrancam em rebanho umas atrás das outras para dentro da cerca. E pronto. Pastor, nem vê-lo. No outro dia, a cena repete-se, e repete-se, e repete-se. É mesmo assim.
Mas vivo num vale sem monte onde os carros não passam, onde ninguém passa. Estou para ali a descansar, a viver, a aproveitar. Estou para ali metida no vale das ovelhas sem pastor. Onde na rua só existe um único número: o número 1. Porque só existe uma única casa: a minha. Onde para ir ao café é preciso agarrar um volante de uma qualquer coisa com rodas.
É o mundo que me espera sempre no final do dia. No final do dia que passo por inteiro na cidade das multidões, dos carros, dos números mil e tais, dos cafés em cada esquina. Na cidade dos vales que têm sete colinas só para eles. É este o mundo de onde saio sempre ao final do dia com esperança de chegar ao meu vale sem monte ainda a tempo de perceber se realmente as ovelhas que por lá andam sempre são telecomandadas.

4 comentários:

Gui disse...

Nada que não tenham lido antes sobre as ovelhas. Ou tudo o que pensaram jamais vir a ler sobre as ovelhas.

- A ruim ovelha deita a perder o rebanho.
- A ovelha procura a sua parelha.
- A ovelha mansa mama a sua mama e mais a alheia.
- A ovelha pior do bando é a primeira que espirra.
- A ovelha que não tem dono come-a o lobo.
- Ano de abelhas, ano de ovelhas.
- Antão era pastor guardava ovelhas e tinha um cão sem orelhas.
- Basta uma ovelha ranhosa para dar cabo do rebanho.
- Cada mal com um igual e cada ovelha com sua parelha.
- Carneiro, filho de ovelha, não erra quem o seu semelha.
- Coitados dos cordeiros quando os lobos querem ter razão.
- Corre a vaquinha quanto corre a cordeirinha.
- De manhã em manhã perde o cordeiro a lã.

Agora que já é tarde, não preciso de contar carneiros prara adormecer. Mas voltarei às ovelhas proverbiais amanhã. Para algo completamente diferente das sondagens à boca das urnas.

Cláudio disse...

Vivo num vale sem monte onde todos os dias empanco com uma oliveira ensonada. O meu pai sempre me disse que quando passam não vêem nada e começo a acreditar nisso. É que a rapariga sai todos os dias sozinha, ainda meio despenteada e de óculos escuros (mesmo quando chove). Aqui fico, todos os dias, à espera que ela volte, novamente despenteada já pela noite. Uma vezes cedo, uma vezes tarde, outras de manhã (quando fica sem gasolina).
É este o mundo onde espero sempre ao final do dia com esperança que ela chegeue ao meu vale e não me atropele.

apipocamaisdoce disse...

Viva as ovelhas, são os meus bichos preferidos!

jubi disse...

"Ouve lá,tens a lã toda cagada!",diz uma,"caga nisso,ninguém diz népia",diz outra. Errado,porque alguém há-de passar e notar e criticar e acentuar a importância de umas serem mais brancas que outras,mas por fim,as "nossas ovelhinhas" pensam:"Deves ter muito a ver com isso ,ò condutor de fim-de-semana!". E acreditas bem,elas são felizes.....