Visitas

sexta-feira, março 17, 2006

Como começou...

Andava eu para aí no terceiro ano da faculdade quando vi afixado lá numa das paredes uma coisa que dizia "Gostas de fado? Aparece dia tal às tantas horas". Eu gostava muito de fado e fiquei toda contente quando percebi que ia haver um espectáculo de fado.
Ainda nem tinha carro nem carta e fiz um esquema enorme para poder estar na faculdade, aquilo era à noite, sem ser roubada ou violada em plena "avenida dos arames" (era um acesso para os comboios que existia em Queluz).
Quando cheguei fui ter ao anfiteatro para onde estava agendada a noite de fados e não estava absolutamente ninguém. Eu sabia que o fado não era assim apreciado por magotes de gente... mas ninguém! Chiça!
Passadas umas voltas, lá descobri à entrada um rapaz novo mas mais velho do que eu que me perguntou o que estava ali a fazer. Expliquei-lhe. Ele sorriu e disse-me que não se tratava de algum espectáculo, o recado nas paredes da faculdade referia-se à ideia de formar um grupo de fado e quem quisesse entrar que aparecesse. Óóóó! Despedi-me, agradeci a explicação, e quando mes estou a ir embora aparece um senhor com uma guitarra na mão.
Voltaram a chamar-me, disseram para eu cantar qualquer coisa (que nervos, ainda me lembro, não sabia letras, nunca tinha cantado a não ser na casa-de-banho) e assim fiquei a fazer parte daquele grupo que, entretanto, já tinha mais elementos.
Foi uma das fases mais engraçadas da minha vida e passados poucos meses já mes estava a estrear na Sé e a cantar ao lado do João Braga, do António Pinto Basto, do Pedro Moutinho, e por aí fora. Uma delícia. Corri muitas casas de fados a cantar, fiz também estrada, fiz festas de estudantes, de escuteiros, eu sei lá...
Foi assim que tudo começou e apeteceu-me contar aqui esta história depois de ontem ter estado a ouvir a Prova Oral, que era sobre fado.

Obrigada Ricardo (o rapaz que estava à porta do anfiteatro e que me obrigou a cantar) e António e Eduardo (os guitarristas que me acompanharam em muitos momentos importantes e que me ensinaram muita coisa bonita).

Sniff!

20 comentários:

Rui Borges disse...

E eu que nunca te ouvi cantar...
Damn!

Conheces o fado da Igreja de Santo Estevão?
O tal do cruzeiro do adro onde em tempos houve guitarradas?...

Leididi disse...

Não sabia que tinhas cantado por esse país fora, Oliveirinha!Mas cantas bem que fartas. A única vez que te ouvi, tinhas um xaile e uma mini-saia, que fica sempre bem no fado, e foste muito bem ;)

Anette a fadista disse...

Lol, pois foi Leididi, foi uma fadunchada bem sensual e que deixou as fadistas da casa furiosas.

Lobo: Sei perfeitamente do fado que estás a falar. Nunca o cantei, mas tenho um amigo que o canta maravilhosamente bem e que se calhar até conheces: o Zé Nuno , que andava em Massamá. Podes ouvi-lo a cantar às segundas e quartas na Tasca do Chico, ao Bairro Alto, que ele costuma ir lá e só pedires para ele cantar isso.

Por outro lado, esse fado não é cantado por mulheres, se calhar até estava na altura de quebrar essa tradição.

QZ disse...

aaaaaaahhhhhh a fadista,foram bons tempos, foram...e que bela voz tinha a cachópa, diz que trocou o fado pelo basket...diz que agora mete cestos em "fado corrido" não sei é se joga de xaile preto...a granda maluca!

Gui disse...

aaahh pantera!! q saudades tenho de te ouvir cantar!...
gostava dos fados mais antigos q escolhias, a tendinha, o da maria + o zé, mas principalmente o fado da mouraria q cantavas muito bem e com toda a emoção. pa qd 1 actução, pá? nem q seja pa uso doméstico...
zanguei-me com o meu amooooooooooor heheeheheheh

Rui Borges disse...

O Zé Nuno...Grandes guitarradas no liceu...Já lá vão 15 anos...Isso é que é um fado...
;)
Não tinha sabido mais nada dele até agora...Segunda ou Quarta lá irei!
E tens razão...é fado d'homem...falei-te nele porque cresci a ouvi-lo...o meu pai era indefectível do Fernando Maurício e até lá fui baptizado...
Por aquelas portas e travessas chegamos a casa dos meus avós...
Aiai...De falta de fado não me posso queixar...E às escondidas lá dou uns trejeitos ao pescoço.
Mas o que eu gostava mesmo era de te ouvir!
;)

Rui Borges disse...

Deves ter isto não?:
http://attambur.com/Noticias/20061t/ovadio.htm

paperspace disse...

"...foi no domingo passado que passei na porta onde vivia A Mariquinhas..."

podias fazer um best of...hihihihihiihhihihiihihih

Anette disse...

Eu vou confessar uma coisa. A última vez que cantei foi para aí há cinco meses numa festa ali em Belas para ajudar os escuteiros da zona. Mas correu-me tão mal, mas tão mal, que agora até tenho medo de voltar a cantar e voltar a dar barraca. O Jubi que o diga que estava lá e ouviu. Eu esqueci-me das letras, engasgei-me, desafinei...epá, fiquei mesmo triste porque as pessoas tinmham pago uma dinheirama para ouvir aquilo.

Rui Borges disse...

Um fadista não tem medo, canta-o!
;)

GranMarta disse...

E o fadinho dos tomates??

Cannibal disse...

No fado desafinas!? No Basket inchas!?
Tu toma cuidado rapariga
Eu já tive o privilégio de te ver cantar e tens muitas potencialidades que bem geridas ainda faziam sucesso!

(.)(.)

Anette a fadista disse...

Ai, o fadinho dos tomates... que belos momentos de glória me trouxe. Ensinado pela amiga Marocas foi cantado em jantares mais informais mas verdade verdadinha que o cantei no Velho Páteo de Sant'Ana. Ah pois é!! Andaaa Pacheeeeco!

Guedes disse...

Isto é tudo muito bonito, mas ouvir-te cantar é que nada. Nem que seja em mp3...

David disse...

Sempre que Lisboa canta, não sei se canta não sei se reza,a sua voz com carinho canta baixinho sua tristeza, sempre que Lisboa canta a gente encanta sua beleza, pois quando Lisboa canta canta o Fado com certeza!!!

Mia disse...

Que história tão engraçada!
Se fosse eu não tinha cantado com a vergonha!!! Além disso, infelizmente eu canto mesmo mal! No entanto, adoro fado! Principalmente vadio! E vou a Alfama de vez enquando só ouvir, porque cantar, até no refrão canto baixinho! :)

Wendel pavelski disse...

isso eh real?

Jubi disse...

É um mimo ouvir-te cantar...

Jubi disse...

'Anita fadista'

Zé Guevara disse...

'Anita fadista'