Visitas

segunda-feira, julho 25, 2005

Dicas de campanha

"Apesar das recorrentes críticas ao excesso de privilégios, o país político parece condenado a não ter férias de Verão. O ano passado foi a extemporânea mudança de Governo e, ao que diz quem lá esteve, a tomada de posse mais quente da História da democracia portuguesa. Este ano, entre orçamentos rectificativos e campanhas para as autárquicas não há tempo para banhos. Os mais sacrificados pelo novo calendário eleitoral, para além de alguns restaurantes e discotecas mais a Sul, são os próprios candidatos. Numa tentativa de aligeirar o árduo trimestre que os espera, aqui ficam algumas sugestões para todos os que, por todo o Portugal, se lançam à conquista de uma Câmara Municipal:
– Faça um programa com todas as festas e romarias do concelho. É bom que não falte a nenhuma. Antes de sair de casa, é prudente ensaiar uns passos de dança, de forma a não fazer má figura nos bailaricos.
– Prepare-se convenientemente para as visitas a feiras e mercados. Se não for versado na matéria, não se esqueça de estudar com detalhe os nomes dos produtos hortícolas e, fundamentalmente, os dos peixes. Não se esqueça que as coreografias com varinas e peixeiras já deram muitas eleições a ganhar.
– Se for candidato num concelho de características rurais, o melhor mesmo é pedir ao anterior líder do CDS/PP que lhe dê algumas dicas sobre ordenha. Não é obrigatório o uso de boina nesta época do ano.
– Muita atenção ao material de campanha: é totalmente desaconselhada a oferta de ‘t-shirts’ com etiqueta ‘made in China’. Esta advertência deverá ser observada com especial rigor nas candidaturas apresentadas nas regiões autónomas.
– Certifique-se que tem currículo adequado para o cargo. Algumas sondagens indicam que alguns processos judiciais em fase de investigação ou julgamento podem constituir uma mais valia eleitoral.
– Todas as intervenções públicas devem ser devidamente estudadas. Nunca, por nunca, troque o bolso do casaco onde guardou o discurso para o jantar com a associação de construtores civis, com o que está guardado para o encontro com os movimentos ambientalistas.
– Assegure-se que todo o seu ‘staff’, bem como todos os mecenas e financiadores da campanha, são pessoas de confiança. Não aceite dinheiro, viagens ao Brasil ou até mesmo electrodomésticos de desconhecidos. Desconfie de qualquer colaborador que tenha o estranho hábito de usar um saco azul à tiracolo.
– Se apesar do apertado calendário de campanha lhe sobrar algum tempo, talvez fosse boa ideia conhecer o concelho, estudar os seus problemas e potencialidades, os recursos financeiros da autarquia e, quem sabe, até pensar no que poderá fazer durante o mandato. Mas atenção: não faz parte da cartilha do verdadeiro candidato desperdiçar tempo com estes pormenores.
Boa campanha! "
____
A 19 de Julho in www.diarioeconomico.com
Nuno Sampaio assina esta coluna semanalmente à terça-feira. (e é o meu cunhado preferido !!)

4 comentários:

Preguiçoso disse...

Se amanhã sair o resumo eu juro que leio!

Gui disse...

não vai sair o resumo, nem iria nunca retirar partes ao texto.
mas perde mais o teu conhecimento do que ganha a tua preguiça...

GranMarta disse...

e para além dos passinhos de dança, não esquecer de oferecer beijos e abraços.
Ah, e perguntar o nome e, mesmo que não seja o caso, remate com "o meu melhor amigo tem o mesmo nome, curioso!?!!!"

Gui disse...

Quando começar a dança das campanhas este post ainda vai dar muito que falar...