Visitas

sexta-feira, dezembro 22, 2006

Algum dia tinha que ser

Acordo, arranjo-me num pulo e agarro no carro porque já estou atrasada para o trabalho.
Hoje nem perdi tempo a fazer o pequeno-almoço em casa porque qualquer minuto de atraso pode significar a não-renovação do meu contrato de trabalho.
Como também não passo sem comer, decido parar no café mais próximo da minha casa para comer qualquer coisa. Um lugar vago no estacionamento. Páro. Desligo o motor e quando estou a sair do carro sinto uma pancada de um outro carro do lado do pendura. Olho para o lado e tenho uma gaja com cara gorda a conduzir um Toyota Yaris que decidiu enfiá-lo na minha porta.
Merda! É caso para dizer, não é? E eu disse mesmo. Saio do carro para ver os estragos e o que vejo não é nada agradável. O pára-choques da tipa está a amolgar a minha porta e ela tenta insistentemente voltar à posição inicial para não fazer mais estragos, mas os nervos com que ela está fazem com que deixe ir o carro abaixo milhentas vezes.
Eu estou do lado de fora, em sofrimento, a ver o carro dela a ir um bocadinho para trás, e mais um bocadinho para a frente... e para trás, e para a frente. Constantemente a torturar a minha porta e eu a encolher-me toda e a serrar os dentes como se aquilo me estivesse a aleijar. A verdade é que estava.
Vejo que a senhora está nervosa e prontifico-me a tirar-lhe o carro dela de dentro do meu. Responde-me com maus modos a dizer que não, que consegue...Tudo bem. Quem sou eu minha senhora?!
Lembro-me que estou enervada com toda aquela situação e dou conta que estou em jejum e que ainda não tomei o meu comprimido sagrado da manhã. Tiro-lhe a matrícula e entro no café para comer. A senhora, da janela do carro, ainda me diz: “Tinha logo que estacionar aqui!!” Pois, a culpa ainda era minha! para além de não saber conduzir ainda tem graça.
Lá comi um desenchabido pão com queijo e um sumo de laranja para voltar ao cenário que, não só me estava a estragar a porta do carro, como também os meus minutos preciosos de trabalho.
Os nervos passam, a senhora assume a culpa, o meu pai chega, o marido dela também e acabamos os quatro numa mesa dentro do café a desejar Feliz Natal uns aos outros.

E assim como quem não quer a coisa, um Bom Natal também para todos aqueles que nos lêem e que interagem connosco. O Coisas que Tal vai continuar por aqui e prepara-se já para entrar em mais um ano na blogosfera.

1 comentário:

Gui disse...

Post com o alto patrocínio da farinha Amparo! hehehhhe