Visitas

quarta-feira, julho 29, 2009

Já sou mãe!

Mais valia ter estado calada. Pus-me a queixar disto e daquilo e toma lá. Mas vamos ao início. O post anterior foi escrito a dia 19. Dia 20, desde o final da tarde e durante toda a noite, tive umas dores do género moinhas menstruais abaixo do umbigo. No dia seguinte, a 21, e já a estranhar as tais dorzinhas não passarem, decidi ligar à minha médica. “Deve ser alguma alteração ao nível do colo do útero. Venha cá ao hospital porque temos de vigiar isso”. “Hum… pronto, mas doutora, as dores não têm regularidade e não são assim muito fortes. Eu estou em Mafra, acha mesmo que é melhor ir, é isso?”. E foi isso.
Os meus pais chegaram a minha casa para me darem o habitual almoço e lá lhes disse que tinha sido aconselhada a ir, mais uma vez, às urgências. Tomei banho, almocei peixe frito com arroz de tomate e lá fomos para mais uma trivial viagem para as urgências, a menos stressante das tantas que já tínhamos feito com perdas de líquido e de sangue pelo meio.
Já com o médico, deitei-me na marquesa para o exame ginecológico. Meteu-me o chamado bico de pato e ficou com cara de parvo a olhar lá para dentro. Perguntei-lhe o que se passava, para não me esconder nada. “Não se assuste, mas eu estou a ver aqui um pé”. Isso mesmo, um dos bebés, o que tinha pouco líquido, estava com pressa de sair e decidiu dar o ar da sua graça às 27 semanas com um pé a espreitar no meu colo. Perplexo, o médico pediu-me de imediato autorização para chamar uns colegas para ver aquilo e tirar uma fotografia ao “fenómeno” com o telemóvel. Deitada, eu mal conseguia pensar no que estava a acontecer e o meu coração pulava que nem louco ao aperceber-me que tinha chegado a hora. E a hora era definitivamente cedo demais. Eu devia estar com uma cara que o médico sentiu-se na necessidade de explicar: “Esteja descansada que não vou apanhar a cara”. Eu queria lá saber da foto, eu já só pensava que ia ser mãe naquele momento e que quando voltasse a cruzar-me com os meus pais na sala de urgências era para lhes dizer que iam ser avós.
As lágrimas escorriam-me pela cara, mas pararam na sala de partos, tal era o estado de pânico em que eu estava. Levada pela minha hipocondrice, entrei por ali dentro a dizer que tinha isto, e aquilo, ah e cuidado também que sofro disto e (a melhor) almocei peixe frito com arroz de tomate, isto não me pára a digestão?
Em trinta minutos e já com a epidural dada dava-se início à cesariana. Primeiro saiu o Tomás, o que tinha pouco líquido, com pouco mais de um quilo, depois saiu o Rodrigo, com um quilo e cem gramas. Uns ratitos lindos que ainda tive a oportunidade de espreitar quando nasceram, mas que foram logo levados para serem preparados para as incubadoras. Passadas oito horas, e enfrentando várias dificuldades respiratórias e deformações físicas, o Tomás acabou por não resistir. Passo à frente os sentimentos e as emoções que ainda agora em mim vivem e o que eu em maridão passámos a tratar de coisas tão opostas como certidões de nascimento, e de óbito, subsídios de nascimento, e funerais.
Ficou o Rodrigo. Um bebé lindo que está a reagir muito bem à vida e para o qual cada dia que passa é uma vitória. Em apenas oito dias, já respira sozinho, já faz cocó, está a ganhar peso e a única coisa que está por ultrapassar é aprender a comer sozinho. Médicos dizem que está para muito breve.
Custa muito estar em casa sem ele, mas todos os dias o Rodrigo recebe a visita dos papás no hospital, bem como boas doses de leite, que retiro de três em três horas com uma bomba. Sem estar à espera, a minha vida mudou. Sou mãe e agora só penso no dia em que o Rodrigo vai poder vir para casa. E sem dar conta, lá continuo eu a riscar os dias no calendário.

E com toda esta história, confirmei que sou mesmo uma mariquinhas do caraças. Sofri horrores com as dores da cesariana e chorei em desespero enquanto as colegas de quarto faziam mortais encarpados com os bebés equilibrados na cabeça e os analgésicos esquecidos em cima da mesa. E eu em lágrimas, a rastejar aos pés das enfermeiras para me encherem as veias de morfina e me porem a dormir. Uma fraquinha, portanto.

28 comentários:

Last Angel disse...

Primeiro desejo-te muitas felicidades e ao Rodrigo também. Sinto muito pelo Tomás. Admiro a tua coragem e pelo que contas não acho que sejas nada fraquinha, és uma Mulher como há poucas. Felicidades e parabéns. ;)

Miss Kitty disse...

Muitos parabéns para ti e para o Rodrigo que é um valente!

Sinto muito pelo Tomás... nem sei o que dizer.

Força nisso que o teu menino vai precisar de ti!;))

BJS*

Mnemósine disse...

Que o Rodrigo vos traga muitas alegrias e que a sua vida seja preenchida com tudo o que há de bom!
Quanto ao Tomás, lamento muito. Espero que juntos consigam superar esta tristeza enorme e que em breve sintam o coração um pouco menos vazio.
**

É a Hora! disse...

Estou muito feliz por ti! Agora é hora de olhar em frente e viver a maternidade em toda a sua plenitude.
Muita força e um beijinho muito grande.


P.S. - Deixei um presente no meu blog para ti!

mariana disse...

Parabéns, bem-vinda ao clube de quem nunca mais será a mesma, esteja o Rodrigo a dormir ou a reclamar a atenção, miminho ou alimento.
Felicidades e muito gozo nesta nova missão!

Luís Costa disse...

Parabéns! Desejo-te muitas felicidades para ti e para o Rodrigo.

Catia Fonseca disse...

Bem-vinda ao melhor mundo que podemos ter....um mundo preenchido de um amor que so existe entre mamas e filhotes....parabéns por essa coragem toda e por partilhares connosco a tua vida! Que a partir de agora seja so alegria e felicidade!! Beijo

Arte decor disse...

um beijo grande para todos e como ja foi dito bem vida ao clube! Agora é seguir em frente porque o rodrigo precisa muito de voces.

Quicas disse...

Oh...estou de lágrimas a escorrer. Força, logo logo o Rodrigo vem para casa. Quanto ao Tomás, lamento muito. É um misto de emoções muito grande.

Bjocas desde este lado do oceano

Pespireta disse...

sentimento dúbio, não?? por um lado a alegria da maternidade, por outro a dor de perder um filho. sei dar o valor, de 4 gravidezes tenho duas filhas lindas. chora a tua perda, faz o teu luto. é importante para ti e para conseguiresminimizar essa dor (se é que isso é possível). não te vou dizer que o tempo tudo cura, porque não há um único dia que não me lembre dos meus bebés. e para que conseguissas ser a mamã que o Rodrigo precisa, tens que ter este teu tempo. é um must have, ok??
e não aceites frases como: foi o melhor, deixa lá és nova. não aceites porque são inaceitáveis.

beijitos doces

InêsN disse...

parabéns pela força e garra (mariquinhas onde??!).

muitas felicidades para esta nova família que se cria :)

Diabo de Mulher disse...

Parabéns pela tua coragem e pela tua força.
Uma mulher quando é mãe vai buscar forças onde nem sabia que existiam.
És uma Super-Mulher!
Que a felicidade, a saúde e o amor nunca faltem na vossa familia!

princesa das estrelas disse...

és uma mulher cheia de coragem. Uma lutadora cheia de fibra. Ana, escrevo-te de olhos marejados de lágrimas. Sente um grande abraço meu, minha querida. Parabéns pelo teu lindo Rodrigo e lembra-te que tens uma estrelinha no céu.
beijos muito grandes. Inês

Anónimo disse...

És uma mulher de coragem e de mariquinhas não tens nada! Acredito que vás ser uma mãe fantástica e o maridão um pai do caraças...LOL! Estou desejosa para ver a carinha do Rodrigo... Deve ser lindo! Bjos Tânia

rlscardoso@hotmail.com disse...

Olá

Tenho muita pena por tudo o que te aconteceu... infelizmente já tive conhecimento de bastantes casos iguais ao teu (e ainda piores) pelo grupo de gemeos a que pertenço... só te queria dizer que não estás só...e que se precisares de falar é só dizeres... Não é facil fazer o luto de um bebe qd tens outro para cuidar e acredita que não vai ser facil lidares com o facto que podias ter 2 e tens apenas 1. Acho importante falares do assunto com alguém que te ajude pois, hoje se calhar até te estas a sentir bem mas vai haver uma altura que vais sentir o colapso... acontece com todas as que passam por isso...

Deixo-te um beijinho de parabéns pelo Rodrigo e os meus mais sinceros sentimentos pelo Tomás...

Beijos

Rita

Mia disse...

Querida Anette,

Eu é que sou a mariquinhas, que estou para aqui cheia de lagrimas!
Vinha aqui espreitar e quando via que não andavas a actualizar o Blog tinha um feeling que havia bebés! E estava certa!
Não sei honestamente o que te dizer sobre o Tomás, mas também sei que não há nada que possa dizer que importe.
Quanto ao Rodrigo, muitooooosss parabéns!! Já estou cheia de vontades de procriação! LOL!
A partir de agora, não risques mais os dias do calendário. Sublinha-os!

Beijinho

Luísa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luísa disse...

Parabéns aos papás!
Não me parece que sejas assim tão mariquinhas quanto isso. Provavelmente aquelas mães que faziam mortais encarpados não passaram pelo mesmo que tu (não me refiro ao parto em si)...

Bjinhos

lolita disse...

Olá Ana. Imagino que estejas a atravessar um misto de emoções muito complicado de gerir, nada nem ninguém tem o direito de julgar ou opinar... Este momento é teu e daqueles que te amam, deves senti-lo como melhor te fôr possível. Beijinho

Cláudia disse...

Não vejo uma ponta de mariquisse nos teus actos e palavras. Foste (e continuas a ser) sim uma grande uma grande mulher. Lamento imenso pelo Tomás...mas não posso deixar de te felicitar pelo Rodrigo. Apesar de tudo só tenho a desejar-vos muitas felicidades e que daqui para a frente tudo corra ás mil maravilhas :)

Beijocas larocas
Cláudia

AMC disse...

Muitos parabéns e muitas felicidades para ti e para o teu querido bebé! Quanto ao Tomás, porque não há palavras certas para a situção, deixo-te apenas um beijinho muito grande, do fundo do coração.

Força!

Joanika disse...

Muitas felicidades e muita força.

;)

Helena disse...

Muitos parabéns e muitas felicidades.

Sinto muito pela sua perda.

E não, não é nada mariquinhas, muito pelo contrário.

O Rodrigo é, com toda a certeza, um valente e não tarda nada está em casa com toda a família.

Beijinhos

Helena

sonia disse...

Parabéns,
vêm aí dias maravilhosos e desafiantes. Se ficares muito mariquinhas procura ajuda imediatamente, não te armes em super mulher.
Felicidades,

S

Vania disse...

Não sou de deixar comentários mas não podia deixar de te dar os parabéns.

Não te conheco bem, apenas nos cruzamos nos corredors da TOL de vez em quando e falamos uns minutos quando vens à minha sala buscar a revista que te guardo todas as semanas, no entanto a tua forma óptimista, realista, decidida de enfrentar os problemas mostram que és uma valente.

Admiro a tua forma de simplificar e não dramatizar, admiro o teu esforço em apenas te focares nas coisas boas e não deixar transparecer o sofrimento que as más te causam.

Parabéns pelo Rodrigo.

Beijos grande e muitas muitas felicidades aos papás nesta nova fase.

Marta disse...

Ó mulher tu não digas que é fraquinha... Tu tens portência máxima! Agora, desculpa lá: um pé de fora? Foto com o telemóvel? Isso é muito à frente.

Sara disse...

Olá Anette
Tenho estado a par de tudo pela Rita.
Tinha de vir aqui desejar as maiores felicidades do Mundo para a tua nova familia, tenho a certeza qua não falta muito para teres o teu Rodrigo em casa.
Os meus sentimentos pelo Tomás.
Mais uma vez, muitas fellicidades e beijinhos aos 3.
Sara Cruz

Vera disse...

Oi
Andava a acompanhar-te porque também estava grávida de gémeos mas ontem soube que um não desenvolveu e agora é aguardar pois o outro parece bem.
Enfim...
Muitas felicidades para vocês e para o Rodrigo! Se tudo correr bem ainda hei-de ter o Lourenço!