Visitas

segunda-feira, outubro 24, 2005

Cântico Negro (para começar bem esta semana)


"Vem por aqui" - dizem-me alguns com olhos doces,
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom se eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui"!
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre a minha mãe.
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde,
Por que me repetis: "vem por aqui"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.
Como, pois, sereis vós
Que me dareis machados, ferramentas, e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...
Ide! tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátrias, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios.
Eu tenho a minha Loucura!
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou,
Sei que não vou por aí.

José Régio

14 comentários:

Gui disse...

Olha que bela escolha!!
Eu tinha este poema de lado para publicar um dia.. mas já o fizeste por mim. MUITO BEM!!
É um dos grandes poemas da língua portuguesa. E tinha tanto para dizer sobre ele, mas fala por si, penso. E tenho muitos dos seus versos de cor na cabeça e que às vezes me visitam nas situações mais variadas, há-de ser sempre actual!

Rui Borges disse...

Alguma relação especial entre o Sr.Régio e Mr. Pitt?
Ou foi um 'porque sim'? :)

paperspace disse...

o josé régio tinha assim tantas tatuagens...

Anette disse...

Gui eu já cheguei a ter este poema todo na cabeça. Ainda bem que estamos em sintonia.

Lobo e Paperspace: qualquer semelhança entre o Régio e o Pitt é mesmo pura ficção. E daí... talvez não.

Rui Borges disse...

Você Decide! :)
http://sweet.ua.pt/~anaramos/Regio.jpg

Rui Borges disse...

Por falar em poetas...
Já lá fui dar a minha poia e vocês?
Já la vai o tempo das Santanetes é tempo das Alegretes!!

http://www.manuelalegre.com/index.php?area=1800&id=339

Leididi disse...

Muito bem escolhido chefa pirosona!
Tenho saudades tuaaaassss!

A Chefa pirosona disse...

Leididi também tenho muitas saudadinhas. Beijinhos

Odiana disse...

!!!! Lindo Ana !!!!
Mas não vou fazer qualquer comentário sobre o JOSÉ, não vá o Lobo emitir mais um decreto RÉGIO a declará-lo covarde e incapaz.

Ana um destes dias posso enviar para ti qualquer coisa do Régio?
Mesmo que não publiques ficarei feliz.

Ana disse...

Claro que sim Odiana, obrigada.

Rui Borges disse...

Não não o Régio não...
O Régio era somente e só um perdido da vida e um angustiado da condição humana...Tirando isso...Um ganda maluco era o que ele era...
;)

Odiana disse...

Lobo
o meu derradeiro comentário aqui em 30/09(tu nem ligaste!), separou-nos nos caminhos da poesia. Do trio de grandes poetas da minha preferência: Jorge de Sena, José Régio,e Manuel Alegre, aposto que os dois primeiros se cá estivessem apoiariam o terceiro.

Rui Borges disse...

odiana não liguei porque simplesmente...não li.
Quanto aos caminhos da poesia são tortuosos e, se na berma de um deles vires um louco que esbraceja e maldiz o voo do pássaro e à noite o vires sentado num banco de madeira numa estalagem alinhavando loas à Criação pela existência de tão fantástica ave, serão uma e a mesma pessoa.
Gentes há que ardendo incendeiam o mundo e outras que se consomem em fogo lento...
E não sejamos tão definitivos na separação dos trilhos ou em cálculos falíveis estes de nos termos em conta...Porque os sinais não são todos de fogo.
Um bom dia.

Rui Borges disse...

odiana, só para clarificar melhor o meu ponto de vista, sem querer branquear o insulto gratuito:

http://docaminhar.blogspot.com/2005/10/que-sena.html