Visitas

segunda-feira, dezembro 03, 2012

Fase má

O Rodrigo anda aos berros e bate. Anda nisto há quatro dias e fá-lo sem razão aparente, o que nos deixa preocupados. Já experimentámos falar com ele calmamente, ignorar, tentar distraí-lo, pô-lo de castigo... e nada. Os episódios são desesperantes. Faz isto com familiares muito próximos, com quem tem muita confiança, e com crianças. Grita sem ser contrariado e a médica, um dia antes disto começar, tinha precisamente perguntado se ele gritava sem razão aparente. Ao que dissemos que não na altura. Xiça, vínhamos todos contentinhos com o resultado da última avaliação, ora tomem lá que é para não andarem com esse sorrisinho parvo.
Enfim, agora é esperar mais uns dias para ver se a coisa acalma, não vá ser apenas uma irritação grandinha por andar constipado e a Actifed.
De qualquer modo quero deixar bem claro a todos os vizinhos do prédio: não, não queimamos o nosso filho com ferros em brasa; não, não criámos um monstro que faz tudo o que lhe apetece.

12 comentários:

Joana em Viagem disse...

Mamã uma música calma não ajuda? O que os vizinhos pensam não interessa, o que importa é o que vocês sabem e sentem. Espero que o Rodrigo acalme,muita coragem e sorte!

Juanna disse...

Oh, bom Anette, a minha filha também tem o péssimo hábito que guinchar como uma vaca a ser estripada e experimentámos de tudo. Até que ontem decidimos que iamos experiementar uma coisa nova, ir embora. Isto é, ela começa a gritar/guinchar e todos nós (mãe, pai e irmã) nos levantamos e saimos do compartimento em que estivermos. Para que ela entenda que se gritar a deixamos sozinha. Logo conto se funciona.

Anette disse...

Olá Joana em viagem, música também não dá, temos experimentado tudo. É claro que não estou preocupada com a vizinhança. Bjs

Anette disse...

Olá Juanna, boa sorte para ti. Com o meu não dá. Bjs

xaxia disse...

Muita calma. Todas as crianças têm essas fases, em que parecem mais irritadas, ou mesmo agressivas, sem razão aparente.
Acho que só temos que fazer o nosso papel, ir ralhando, castigando conversando. A maior parte das vezes o melhor é esperar que passe. E acaba por passar.

Beijinhos e força!

Jay disse...

Não sendo mãe e sem sonhar, sequer, como se educa uma criança com autismo, posso apenas dizer-lhe para não se desesperar. O que os outros pensam, bem, é lá com eles, azar. Além disso, todas as crianças passam pelas fases más e, pronto, é não desanimar e manter as terapias. É claro que falar de fora é muito fácil mas a verdade é que os medicamentos a que estas crianças estão sujeitos servem para tratar os sintomas e não a causa, pelo que a terapia é vital. Tenho plena fé que tudo irá correr pelo melhor :) força *

Rainbow Mum disse...

Com o meu houve uma fase assim... Mas as coisas melhoram, vai ver. Actualmente com 5 anos já não acontece isso. Beijinhos

Maria_S disse...

Dizem que o Actifed dá sonolência :), mas por aí parece que não.

Pipa disse...

Anette, por favor, não deixe de escrever...
Espero que essa fase seja passageira. Seja só rabugice do Rodrigo. Sabe-se lá, ás vezes querem atenção e gritam. Vamos lá :) ânimo

Aida disse...

Olá!
adorei encontrar o teu blog e ainda bem que vim espreitar! Gostaria de te convidar a visitares também a “minha casa”. Espero que te sintas lá tão confortável quanto eu me senti na tua! ;)
Votos de muitos sucessos.
beijinho
http://cottoncandy-peaches.blogspot.com/

Sofes disse...

Olá, muito boa noite. Comento pelo seguinte: uma amiga, mãe de um par de gémeos, a conselho médico, deu pela enésima vez Actifed os garotos. Sem que se percebesse porque, um deles passou a ter ataques descontrolados de gritaria e choro, sem razão aparente. Apenas dizia que "os monstros" vinham aí. contacto com o médico, e vai-se a ver era do Actifed, que em casos mais ou menos raros, pode provocar alucinações. Do que percebo, o seu filho não se expressa ainda muito bem... tente perceber se os acessos podem ter a ver com algum medo que o perturbe. De qualquer modo, há-de passar. Boa sorte.

Anette disse...

Obrigada sofes, que coisa a que conta. Estarei atenta. Obrigada e um beijinho.